quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Às vezes...

...no silêncio da noite, enquanto te vejo a dormir, pergunto-me o que te faz ficar. O que te faz dar-me um beijo? O que te faz deixar-me sentir os teus lábios, o teu corpo, o teu calor, o teu toque? O que sentes quando olhas para mim? O que sentes quando eu não estou presente? O que pensas de mim? Hoje estás aqui, amanhã poderás não estar. É estranho para mim compreender como hoje me deixas beijar-te, mas amanhã poderás nem me deixar aproximar. Como hoje queres o meu abraço, mas amanhã poderás nem me querer ver. Como hoje sentes a minha falta, mas amanhã poderás querer estar longe de mim. O que te faz ficar? O que te poderá fazer afastar? Não me pertences. Não és minha, nem nunca o serás. És senhora de ti, dona do teu coração. O que te faz ficar? Olho para ti, olho-te nos olhos, neles me quero perder, neles quero ficar gravado. Não te esqueças de mim. Suavemente acaricio a tua pele, deslizo os meus dedos pelo teu corpo, o meu coração estremece. Quero agarrar-te e nunca mais largar. Quero ter-te, sem nunca te chegar a ter. Porque hoje estás aqui, mas amanhã poderás não estar. O que te faz ficar? Tenho medo de te perder, mas só te quero se quiseres ficar. Tenho medo que te vás e comigo deixes apenas lembranças, mas prefiro viver momentos a teu lado, do que viver sem nunca ter conhecido o sabor dos teus lábios. Olho para ti, és especial. O que te faz ficar? Sabes que tenho medo? Talvez sim, mas sabes que o medo nunca me fará sentir menos por ti ou afastar-me de ti. Digo-te o que sinto, mostro-te o meu coração. É teu se o quiseres. Não tenho medo de te o entregar. Podes deixar cair, só o deve aceitar quem o quiser receber. Aceito o que vier, mesmo que tenha de sofrer. Só te quero, se quiseres ficar. Quero-te ter, não te quero sufocar. Não és minha, a tua presença é um privilégio. Porque esta noite escolheste aqui ficar, quando em qualquer outro lugar tu poderias estar. Porque hoje me beijas com paixão, mas amanhã poderás nem uma carícia querer. Olho para ti e vejo a mulher que és. A mulher que eu desejo a meu lado. Não sei como chegaste até mim, nem como cheguei até ti. O que te faz ficar? Às vezes quero chorar, não de tristeza mas de alegria, porque tu estás aqui. Porque esta noite somos mais que eu e tu, somos nós, mas amanhã poderemos ser apenas tu e eu. Vivo o momento, sonho com o futuro. Esqueço as incertezas, porque hoje estás aqui. No silêncio da noite, olho para ti e pergunto-me o que te faz ficar.

Olho para ti, abres os olhos e perguntas-me em que penso... Sorrio e digo-te, simplesmente, que penso em ti, Amor...

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Simplesmente isto...



Laying on my bed thinking about you, thinking about us. What we were, what we are, what we can be, what we will be. Is it you? Is it me? My heart beats for you. My mind drift towards you. You fill my desire. You fill me with joy. You fill me with warmth. I'm yours, even if you don't know it yet. I'm close even if you don't feel me yet. I miss your kisses, I miss your embrace, I miss you. Sometimes it can be scary, sometimes it can be exciting, but every time it just feels right. It is you. It is me. It is us. Your beauty. Your smile. Your heart. Your feelings. The way you are. The way you talk. The way you correct me. The way you kiss me. The way you look at me. It is special. You are special. Your heart is precious. It is you. It is me. And one day I want it to be us. Together. Sharing, living, making new memories, laughing, crying, smiling, kissing, loving. You are. I am. And we can be, more than we are, more than we were.
It is you. It is me. And tonight, in my heart, it is us.

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Amizades (ou a falta delas)...

Quando me mudei, todos os meus amigos, todas aquelas pessoas que costumavam estar presentes no meu dia-a-dia deixaram de estar. Deixaram de aparecer aqueles convites para ir ao café, para ir ao cinema, para jantar, para sair à noite.

Mudei de país, comecei uma nova vida, e para trás ficaram os amigos mais próximos, os convívios, a sensação de pertencer a um grupo.

Começar do 0 não é fácil. Começa-se novamente a busca por um grupo de pessoas que preencha o vazio deixado pelas que ficaram para trás. Mas claro, dificilmente se preenche um vazio de amizades que duram há anos, com pessoas que conhecemos há dias/semanas.

Nos dois anos que vivo cá, a verdade é que conheci dezenas de pessoas, mas aquelas que realmente tiveram alguma importância, contam-se pelos dedos de uma mão.

Por decisão minha, acabei por não me integrar muito no meu grupo de colegas do (ex)doutoramento. Por uma ou outra razão, a verdade é que não me identificava com eles e como tal preferia passar os meus tempos livros na procura de outras companhias.
Dado o bichinho que ficou dentro de mim, desde que fiz Erasmus, a minha decisão foi procurar os Erasmus na cidade onde vivo. E foi com esses que decidi começar a sair para festas e convívios...
Contudo o que eu pensava que ia ser uma integração relativamente fácil, dado que apesar de não ser Erasmus, me identificava bastante com o espírito e já tinha alguma experiência no assunto, veio a revelar-se bastante mais difícil do que eu esperava.

Depois das semanas iniciais em que se conhece dezenas de pessoas num curto espaço de tempo e todos parecem simpáticos e acessíveis, deparei-me com a falsidade da maior parte deles. Quando pedia para me avisarem de festas e afins, me diziam que sim e depois na hora H, nada.
Penso que o grande problema para a minha integração era a falta de disponibilidade, tendo eu de trabalhar de segunda a sexta e às vezes até aos fins de semana, não podia estar presente durante a semana em nenhum dos eventos e claro está, encontrar-me apenas uma vez por semana com eles, não é suficiente para estabelecer laços com ninguém. E ao fim de umas semanas, apesar de me falarem quando me viam, acabei por ficar de fora de todos os grupos que entretanto se foram formando. Ah! E mais o facto de não ter aulas, nem um ponto em comum com nenhum deles também não ajudou.

Conclusão passei o ano letivo de 2013/2014, sem pertencer a nenhum grupo, indo a umas quantas festas e falando com um ou outro mas nada de relevante. Pelo meio lá conheci duas ou três pessoas que acabaram por se tornar mais "próximas" mas tendo em conta a minha situação, bastava um pouco mais de contacto que já seria muito mais do que aquilo que tinha com todos os outros. Mas ainda assim passei bons momentos com um pequeno grupo de pessoas, entre passeios e alguns convívios. Não passei maus momentos, pois felizmente, soube resistir bem, mas a verdade é que houve momentos que me senti só. Detesto pessoas falsas e isso ajudou-me a manter a minha força. Pois apesar de não pertencer a nenhum grupo, preferia estar sozinho do que rodeado de falsos.

No final de 2013, houve um acontecimento que me carregou um pouco as baterias... Conheci uma rapariga nas aulas do curso de alemão e acabámos por nos aproximar os dois. Com o passar do tempo fomos falando mais e acabámos por nos envolver um com o outro. E esta sim, foi uma das poucas pessoas que nestes dois anos teve alguma importância na minha vida. Pois apesar de ter sido por um curto espaço de tempo (ela foi-se embora no início de Março de 2014), passei bons momentos com ela, e veio a tornar-se uma boa amiga minha, com a qual ainda hoje falo (apesar de não tão frequentemente).
Houve mais duas ou três pessoas com as quais ainda mantive algum contacto mas com as quais já não falo. E fora isso nada mais de relevante. Todas as outras pessoas que conheci e que no início me falavam muito bem, no final e por razões que desconheço, deixaram de me falar.
Então no final do semestre, os meus diálogos eram mais de "Olá! Adeus!" porque apesar de tudo, sou bem educado. Mesmo pessoas com as quais eu pensava que havia um certo companheirismo, no final vieram a revelar-se iguais às outras, pois a certa altura já nem se dignavam a falar-me ou responder-me a mensagens.

Em suma, no primeiro ano aqui, conheci uma pessoa que realmente teve alguma importância, algumas com as quais passei bons momentos de convívio mas que hoje em dia já perdi o contacto e conheci dezenas de pessoas irrelevantes. Com o grupo do meu doutoramento, acabei por ficar como ainda hoje, nada mais que colegas de trabalho.


No segundo ano letivo (2014/2015) as coisas mudaram radicalmente! Voltei a conhecer várias pessoas, mas desta vez, consegui inserir-me num grupo de Erasmus e posso dizer que vivi o meu "segundo Erasmus". Apesar de pouca disponibilidade que tinha (praticamente só sextas e sábados, e mesmo assim nem todos) ia a festas sempre que podia, estabeleci uma boa relação com várias pessoas, não só as do meu grupo mas também com outras de outros grupos. Diverti-me imenso, e tenho a dizer que foi uma das coisas que mais me ajudou a suportar o trabalho durante esse ano, foi o meu grupo de amigos e as vivências que tive com eles. O meu ponto alto da semana era na sexta feira quando terminava a semana de trabalho e perguntava "Onde é que é a festa esta noite?" e aí sim, esquecia-me da minha falta de motivação e interesse e entregava-me  pura e simplesmente à diversão e convívio.

Foi um ano para mim bastante bom em termos pessoais (infelizmente não tanto em termos profissionais, pois cada vez sentia menos vontade e motivação para continuar o que estava a fazer).

Para mim foi como estar novamente em Erasmus e isso para mim foi uma das melhores coisas, dado que o meu "verdadeiro" Erasmus foi apenas 3 meses e não me permitiu usufruir verdadeiramente da experiência. Mas o ano passado foi-me dada essa oportunidade e fiz bom uso dela. Aproveitei o melhor possível e posso dizer que agora sim estou satisfeito e penso que finalmente posso dizer "Eu fiz Erasmus e eu aproveitei ao máximo!", antes podia apenas referir que o fiz, mas que foi tão curto que não me deu tempo para realmente viver a experiência. Foi um ano que passou a voar! Mas muito bem passado!

Fico muito feliz por ter tido esta oportunidade e por ter conhecido um grupo que de pessoas que me integrou e que me aceitou mesmo tendo em conta a minha fraca disponibilidade. Dada a minha experiência no ano de 2013/2014, esta foi uma lufada de ar fresco pois fez-me esquecer um pouco das situações porque tinha passado anteriormente.

Para concluir, foi um grande ano para mim em termos pessoais, conheci pessoas excelentes e pelas quais tenho uma grande estima, apesar de não ter um contacto diário com a maior parte delas, continua a tê-las em grande conta, pois mesmo que elas não saibam, tiveram uma importância crucial na minha vida, tendo sido o meu apoio quando mais precisava e me terem ajudado (talvez sem saberem) a manter-me no trabalho.. A verdade é que uns meses depois de eles se terem ido embora, dado que o seu Erasmus terminou, eu deixei o trabalho...

Este ano... Isto parece um ciclo mas o tipo de pessoas que conheci é praticamente igual àquelas que conheci no meu primeiro ano... Como já tenho a experiência nem me dou ao trabalho de entender e simplesmente os ignoro da mesma forma que eles me ignoram a mim.
Hoje em dia tenho aqui um bom amigo, que conheci o ano passado e que ainda cá está (pois vive e estuda cá) e como tal não tenho grande necessidade de me sujeitar às falsidades e palhaçadas dos outros todos. Como se costuma dizer "poucos mas bons", neste caso é apenas um, mas chega bem.

A minha vida tal como escrevi no post anterior está em fase de mudança, em todos os campos.

Verdade seja, dita após dois anos a ir a festas de Erasmus e a conviver com Erasmus, estou um pouco cansado. Foi uma boa fase, gostei bastante, conheci várias pessoas, mas tudo tem o seu tempo. E o meu tempo nessas andanças está a chegar ao fim. O meu tempo de festas Erasmus e bebedeiras quase todas as semanas acabou. Este ano já pouca paciência e vontade tenho para esses "convívios". Agora quero conhecer pessoas que realmente passem a fazer parte da minha vida durante vários anos e não apenas por um ou dois semestres. Quero fazer amigos a sério e não amigos de conveniência (ou amigos de festas, como preferirem).
Foi uma boa experiência, mas agora quero algo diferente. Todos os anos é o mesmo ciclo, no que diz respeito aos Erasmus e eu já conheço esse ciclo de cor. Agora quero algo diferente para a minha vida social.

Não sei o que vai acontecer, mas a verdade é que sinto a mudança no ar. Na minha forma de estar, nos meus objetivos, na minha vontade. O meu objetivo já não é conhecer os Erasmus que cá estão, ou os que vêm no próximo semestre, agora quero conhecer pessoas que sejam realmente benéficas para a minha vida. Quero começar a conhecer pessoas que daqui a uns anos ainda sejam parte do meu grupo de amigos. Quero ter amigos como os que tenho em Portugal, com os quais possa falar e desabafar. Nunca vai ser igual, mas acredito que posso vir a conhecer pessoas excelentes que se mantenham por perto durante bastantes anos.

Às vezes para a mudança acontecer, temos de quebrar com os velhos hábitos, com as velhas rotinas.

Não sei o que o futuro me reserva, mas após ter começado a quebrar com as velhas rotinas e hábitos, com os quais já não me identificava, sinto a mudança mais perto do que nunca.

Venham os novos dias! 2016 está a começar! Um novo ano! E eu estou entusiasmado e motivado para descobrir o que me espera!




segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

O tempo voa!!!

Por diversas e várias razões, deixei de escrever neste blogue e verdade seja dita, até acabei por me esquecer que ele existia, mas recentemente recordei-me e com a recordação veio também a vontade de voltar a escrever algo..
A última vez que escrevi algo neste meu espaço foi já há dois anos (e um mês pouco, mas arrendando..). No dia 1 de dezembro de 2013!

Nessa altura fazia cerca de 2 meses que estava a viver na Alemanha, a iniciar uma nova fase da minha vida. Um novo país, um novo trabalho, uma nova etapa. E entretanto como quem não quer a coisa, dois anos se passaram!
 
E agora em 2016, apesar de estar no mesmo país, na mesma cidade, tudo é diferente. Estou novamente a começar uma nova etapa da minha vida.

Muito mudou, mas digamos que internamente. Digamos que nestes dois anos cresci bastante como pessoa (claro que todos estamos em constante crescimento) mas há determinadas alturas em que esse crescimento é mais notório ou mais acentuado. E não sou eu apenas que o digo, os que estão mais próximos de mim também sentem isso, especialmente a minha família. Tento sempre tornar-me uma pessoa melhor, um filho melhor. Tento melhorar-me, aprender com os erros, aprender com os obstáculos, aprender com a vida.  E nestes dois anos aprendi bastante e continuarei a aprender, pois a vida é feita de aprendizagens.

Contudo várias mudanças também surgiram na minha vida, no final de 2015...

O trabalho que comecei no final de 2013, não o terminei... No final de 2015, praticamente dois anos depois de o ter iniciado, decidi deixar. Era algo que me estava a consumir a energia positiva, que não me fazia sentir realizado, bem pelo contrário, fazia com que me sentisse deprimido, pensando que se isto era o melhor que conseguia para a minha vida, então o caminho não se afigurava prometedor.

Mas desde o inicio de 2015 que buscava uma mudança, começava a ver que afinal o doutoramento que iniciei não me realizava e não me motivava. Não era algo pelo qual eu tivesse nenhuma paixão, e mais eram os dias em que pensava em sair, do que em ficar. O ponto alto do meu dia era o fim do trabalho e da minha semana a sexta feira... E após muitos indecisões e medos por não ter outro trabalho e por não ter conseguido arranjar nada, decidi que era melhor para mim não ter nada e dedicar o meu tempo a "lutar" por algo que contribuisse para a minha felicidade, do que continuar a arrastar-me todos os dias para o mesmo local. E assim no inicio de novembro comuniquei a minha decisão ao meu (ex)chefe e no dia 30 de novembro de 2015, trabalhei pela última vez naquele local.

E até agora não podia estar mais feliz com a minha decisão. A partir do momento em que venci o medo e saltei para o "vazio", senti uma sensação de liberdade e de alívio que a única coisa que conseguia fazer era sorrir. Sentia-me leve, livre e pronto a embarcar numa nova fase da minha vida a qual eu desconhecia e desconheço por enquanto. Pois não sei o que me espera, tenho os meus planos e objetivos, e estou a fazer por atingi-los e concretizar, mas claro está não sei que trabalho irei arranjar, ou quando vou arranjar. Mas até lá tenho um plano razoavelmente bem estruturado e apesar de não ter certezas de nada. Estou mais feliz com a minha vida, do que nestes dois anos de "certezas", certeza que de no dia seguinte ia ter de voltar ao meu local de trabalho, que na semana seguinte a mesma coisa, que no mês seguinte o mesmo e que muito possivelmente se não fizesse nada, nos próximos dois anos o mesmo. E este pensamento destruía-me por dentro...

Agora que estou livre desse peso morto e sai do pântano em que vivia, tenho uma energia renovada, um novo fôlego, um novo ânimo.

O caminho não será mais fácil, mas será certamente um caminho percorrido com vontade e motivação e não um arrasto constante.

Neste momento posso dizer que me sinto feliz, e isso para mim é o mais importante!

Penso voltar a escrever um pouco mais assiduamente (sem prometer! só gosto de prometer quando sei que vou cumprir) e neste caso eu escrevo porque gosto e só o faço se sentir vontade. Portanto se a vontade me acompanhar penso escrever mais vezes neste meu espaço.

Porque nem só mudaram as coisas na minha vida profissional. Noutros campos houve também desenvolvimentos e sensações/sentimentos  que há muito não eram sentidos!


domingo, 1 de dezembro de 2013

Um dia de cada vez...

Tem sido o meu lema há bastantes anos, quase 5 anos. Simples, sem grande complicação, sem grande profundidade. Mas que me resulta bem.

Estes últimos meses têm-me feito crescer, aprender, viver.
Apesar de nem tudo ser como imaginava, ou nem sempre ser como eu queria, por enquanto tenho conseguido levar a minha vida para a frente, um dia de cada vez.

Ainda tenho dúvidas em relação ao meu futuro, e alguns receios...
Tento manter a minha confiança, mas para ser sincero, nem sempre o consigo fazer.

Felizmente que estou habituado a estar "só" comigo, pois aqui tem sido difícil criar um novo grupo, estabelecer-me em termos sociais. Não esperava ter amigos de um dia para o outro, pois as grandes amizades não surgem em meras semanas. No entanto, esperava estar mais integrado. Tem sido complicado. O facto de não estar em Erasmus, não ter aulas na Universidade, e passar a maior parte do tempo no laboratório, não me permite estabelecer grandes relações.

Mas tal como tenho repetido ao longo deste post, um dia de cada vez.

Digamos que estava habituado a estar "sozinho". Mas a verdade é que mesmo nem estando sempre com eles, em Portugal tinha o meu grupo de amigos. O facto de saber que estavam por perto, tão perto como um simples telefonema ou mensagem para nos podermos encontrar, era reconfortante. Aqui longe de tudo e de todos, nos dias em que estou mais cansado, torna-se um pouco mais difícil.

Apesar de às vezes me sentir sozinho, acho que tenho conseguido lidar bem com a situação. As aprendizagens que fui tendo ao longo da minha vida, especialmente nos últimos anos, têm-me servido para me ajudar. E continuo a aprender, todos os dias um pouco mais.

Se bem que continuo a ser um pouco "ingénuo" em certos aspectos. Se bem que é um defeito ou não, que tento não perder. Gosto de manter um certo nível de ingenuidade, pois gosto de acreditar que pode existir alguma bondade nas pessoas, e não partir do pressuposto que são falsas ou desonestas. Não me deixo enganar propositadamente e estou atento, mas tento não julgar à primeira hipótese. Se bem que até agora a maior parte das pessoas que conheci, as considero falsas.

Gosto de ser um sonhador, mas acho que cada dia que passa, sou um pouco menos. Tento não perder por completo e luto por continuar a sonhar e a acreditar. Mas acho que o tempo e os constantes insucessos e desencontros, me fazem perder um pouco dessa parte. De qualquer forma, tento guardar em mim sonhos e desejos. Mesmo que não os expresse muito e que pense menos neles, tento que eles continuam presentes.

De resto, a vida vai entrando numa rotina, que eu acredito que seja normal para quem trabalha. Se bem que sempre que tenho hipótese, tento sair um pouco da rotina.

Em suma, até agora tem corrido tudo bem, fora um ou outro aspecto que não estão a progredir tão bem ou como eu gostaria. Mas vou continuar a "lutar" e a viver. Um dia de cada vez e o dia de amanhã é um novo dia cheio de novas oportunidades.

P.S.: Há dias que sinto a falta de uma boa conversa e daquele calor interior que tu me despertavas....

domingo, 20 de outubro de 2013

Alemanha ou talvez deva dizer Deutschland!

Mudar de vida, sair de casa, afastar-me dos amigos e de tudo o que conheço. Partir para um lugar diferente, onde não conheço ninguém, onde tudo é diferente, onde a língua me é estranha (apesar de gostar e de querer falar alemão, ainda não é um objetivo concretizado).

Começar a vido do 0, não é fácil. Tudo é novo, tenho de criar novos laços, novas relações, novos desafios.
Não quero dizer que isto, que eu ache que seja mau. É bom para mim, para eu crescer, para poder começar a construir a minha vida, o meu futuro. Mas também não quer dizer que seja sempre fácil.

Na esperança de estar a seguir o melhor caminho para mim, embarquei nesta aventura e nesta mudança. Sempre o disse que queria fazer e agora aqui estou, a viver a minha vida noutro país.

Tento seguir o meu lema "Um dia de cada vez", mas às vezes anseio por atingir já diversos objetivos. Saber já falar alemão, já estar integrado, já ter um grupo de amigos, já ter aqui uma nova vida. Mas há coisas que demoram tempo...

De qualquer forma, sinto-me feliz com esta mudança, custa-me estar longe da minha família (onde o meu gato está incluído) mas acho que foi um passo importante e necessário para mim.

Se tudo correr bem ficarei por cá durante alguns anos e no final, quem sabe talvez fique mesmo por cá. O futuro é incógnita e por isso vou tentar aproveitar todos os dias o melhor possível e viver da melhor forma possível.

A minha vida  mudou e a cada dia que passo, vou tomando maior consciência das mudanças que já aconteceram e das que estarão para acontecer. Desde que no final me orgulhe do meu caminho e consiga ter sucesso, poderei dizer que sou um rapaz feliz (esperando também que quando cresça, possa dizer sou um homem feliz!)

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Há dias que me apetecia...







...ir passar uns dias no meio do "nada", eu (possivelmente e no caso de existir, uma namorada também sabia bem), um livro, um caderno, uma caneta e a Natureza.

Afastar-me da vida do dia a dia, das cidades, dos carros, das multidões.

Estar comigo mesmo e apreciar o que a Natureza tem de mais belo.

Está nos meus objetivos fazer isto um dia, e apesar de saber que não o vou fazer agora (porque tenho outros objetivos pendentes) não me vou esquecer deste e também não quero esperar 50 anos.

A Vida que me dê mais uns aninhos e eu posso mostrar-lhe como faço as coisas de forma a tentar alcançar os meus objetivos.

Mas em suma, há alturas que me apetecia estar assim, não necessariamente nesta fase, mas noutras.

Às vezes...



...lembro-me.

Estes dias vão ser de despedida e de reflexão, de muitas dúvidas e incertezas, mas essencialmente de grande mudança.

Espero estar à altura e mais uma vez espero ter escolhido o melhor caminho para mim.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

E mais uma mudança "radical" na minha vida...

Primeiro para quem não tinha emprego, arranjar um foi a maior mudança dos últimos tempos.

Depois pensando eu que me ia manter por lá, sem perspetivas de nada pela frente, surge-me o meu atual trabalho, onde mais uma vez mudei radicalmente. Passando de transportes públicos, para carro, e de andar vestido normalmente, para passar a andar vestido com um estilo mais formal.

Após a habituação, pensando eu que me ia manter assim até ao final do contrato...Eis que surge o convite para uma entrevista na Alemanha...
Fez-me pensar, fez-me questionar, mas no final acabei por ir. Queria ir ver, queria saber o que me ofereciam, as minhas oportunidades e acima de tudo queria saber se conseguia ser aceite.

Foram dias complicados, dias de muita ansiedade, nervosismo e muitas dúvidas, algumas delas que ainda hoje persistem, mas que não me vão fazer recuar.

E sem esperar fui aceite e mudei "sem o saber" com uma simples palavra, mudei o meu futuro radicalmente.


Daqui a umas semanas vou partir. Vou sair do meu país, deixar a minha família, amigos e tudo o que conheço. Mudar para uma vida nova, para um sítio novo, conhecer pessoas novas... Vou viver uma nova vida e tudo sem o esperar.

Espero ter escolhido o melhor caminho para mim. O caminho mais correto, o caminho que me fará mais feliz.

A verdade é que de um momento para o outro a minha vida vai dar outra volta e desta vez não será só por 3 meses. Desta vez serão anos (se tudo correr bem e não tiver mais surpresas pelo caminho).

E assim tem mudado a minha vida num curto espaço de tempo. E sem saber bem o que me espera a seguir.

Se por vezes me "assusta" um bocado, por outras quero partir, quero seguir nesta nova caminhada, quero vencer os obstáculos, quero crescer e poder dizer que aproveitei bem a minha vida.

Porque não me posso deixar vencer pelo medo, pelos receios, não me quero acomodar. Quero sair da minha zona de conforto, apesar de saber que me vai custar. É importante para mim! Nunca senti que o meu futuro passasse por Portugal, espero que este "feeling" esteja correto, pois arrisquei numa mudança de rumo.

E seja o que for, tentarei dar sempre o meu melhor.

Não sei o que me espera, mas tento viver um dia de cada vez. Se no campo amoroso não acredito que vá mudar nos próximos anos, nos outros campos, sei que daqui a umas semanas tudo será diferente, e eu quero acreditar que será para melhor.

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Fase "estranha" ou não...

Ultimamente, apesar de os meus últimos posts poderem dar uma ideia diferente, tenho-me sentido bem sozinho.

Acho que até, estou numa fase, em que nem sinto assim tanta faltar de sair, de conviver, de estar com pessoas. Podem apelidar isto de anti-social, mas não é bem assim, eu gosto de conversar, gosto de passear, gosto de conviver, tenho amigos e gosto de passar bons momentos com eles.

O que me acontece agora é que não sinto falta disso. Apetece-me fazer mais a minha vida, à minha maneira. Que verdade seja dita, ultimamente, esta minha maneira, não inclui assim tanto atividades com amigos.

Ontem fui à Color Run, mas só porque já me tinha inscrito, julgo que se a inscrição tivesse sido nestas últimas semanas não me teria inscrito. Gostei de ter ido, diverti-me, mas não achei assim nada de épico. Provavelmente, se a inscrição tivesse sido agora, teria acabado por faltar.

Isto é apenas um exemplo da forma como ando agora.

Convidam-me para ir ao café, ou fazer isto e o outro, e o meu primeiro pensamento é logo de que não me apetece muito.

Acho que entrei numa "zona de conforto" um bocado estranha, estou bem comigo mesmo, faço o que me apetece, e tento aproveitar o melhor possível. Mas o meu aproveitar, a maior parte das vezes não coincide com o que os outros consideram aproveitar. E sinceramente muitas vezes nem me importa o que possam pensar de mim.

Gosto dos meus amigos, mas a verdade é que me sinto bem sozinho. Não me afastei de ninguém, mas também não procuro estar com ninguém.

Entrei um pouco numa rotina, que passa por mim e pela minha família. O "resto" acaba por surgir de quando em quando, mas não é uma prioridade para já. Eu tenho para mim que as amizades de verdade, não se medem pelas vezes que estamos juntos, mas pela forma como aproveitamos o tempo quando estamos juntos. Se há sinceridade, se há um à vontade para partilhar. E eu sigo-me por isto, não preciso de falar muitas vezes com determinadas pessoas para as considerar amigos a sério.

Em suma, estou bem sozinho, e habituei-me a um estilo de vida que, na maior parte do tempo, não engloba outras pessoas. Não digo que vou ficar assim eternamente, mas por agora tem sido o que me apetece.